segunda-feira, 28 de março de 2011

O Trovadorismo - Contexto histórico

Clique e assista a trechos de dois filmes que apresentam características da sociedade medieval, na qual se desenvolveu o Trovadorismo.

O Senhor da Guerra, 1965: Feudalismo - Relação de vassalagem e suserania


A cena mostra um aspecto marcante da sociedade medieval: as relações de vassalagem e suserania. O suserano era quem dava um lote de terra (feudo) ao vassalo, sendo que este último deveria prestar fidelidade e ajuda ao seu suserano. O vassalo oferece ao senhor, ou suserano, fidelidade e trabalho, em troca de proteção e um lugar no sistema de produção. O trecho do filme ilustra uma prática medieval que demonstra o nível de submissão do vassalo para com seu senhor: o direito da primazia da primeira noite, ou seja, o vassalo solicitava licença para casar, mas a noite de núpcias era do suserano. A relação de vassalagem desse período se fará presente na produção literária da época: Nas cantigas de amor, a relação entre o poeta e sua amada obedece aos preceitos da vassalgem amorosa.

O Nome da Rosa, 1986: O poder da Igreja


No filme fica evidente a forte influência da Igreja no comportamento das pessoas do mundo medieval. Segundo ela, o mundo terreno era considerado apenas como um espaço de preparação para a vida eterna. Por isso, vivia-se em função da morte. A renúncia aos bens materiais e aos prazeres mundanos era a condição exigida para alcançar a salvação eterna. a salvação da alma constituía-se na preocupação maior do homemem medieval ("Tudo o que fizeres na Terra, receberás em dobro nos Céus"). Essa concepção de mundo dominada pela figura do Deus proposto pelo Cristianismo é chamada teocentrismo. Deus é o centro do universo e a medida de todas as coisas. A Igreja representa Deus no mundo terreno; a autoridade da Igreja domina o mundo e os valores da religião cristã vão impregnar todos os aspectos da vida medieval, inclusive. Os conventos eram verdadeiros centros difusores da cultura medieval, pois era neles que se escolhiam os textos filosóficos a serem divulgados, em função da moral cristã. A Santa Inquisição era a responsável por decidir o que poderia ou não ser divulgado, punindo, com severidade, quem fugisse aos padrões impostos por ela (como pode ser visto no diálogo entre o monge e seu aprendiz).

4 comentários:

  1. Este filme retrata o mundo das trevas culturais em que viviam os povos da Idade Média. A cultura era censurada pela Santa Inquisição e àqueles que tentassem ampliar os conhecimentos da população, seriam julgados pelo tribunal inquisitório, muitas vezes, eram queimados junto aos livros, por denunciarem ideais de LIBERDADE. BJS

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  3. Gostei dos textos sobre os filmes. Desconhecia o primeiro, mas parece bom.
    Acerca de O Nome da Rosa, tb recomendo o romance de Eco. Já escrevi sobre ele em meu blog e, se puder, dê uma conferida:

    http://kleitongoncalves.blogspot.com.br/2013/10/obras-de-umberto-eco-o-nome-da-rosa-e_27.html

    Abraços!

    ResponderEliminar